Bordando e me encontrando no emaranhado de linhas

4.8.17

Sempre admirei muito pessoas que tem dons artísticos: que sabem dançar, cantar, desenhar, pintar... Sou apaixonada por aquarelas e ilustrações. Fico fascinada em como as pessoas conseguem escorregar o pincel ou o lápis pelo papel de uma forma tão leve e despretensiosa e isso vai criando formas inacreditáveis! Sim, pra mim é inacreditável. Nunca serei.

É, sempre repeti pra mim "nunca serei" porque tenho consciência dos meus dons e das minhas limitações. Gosto das palavras e amo gostar delas. Mas os traços me encantam de uma forma especial, porém mal consigo traçar uma casinha. O telhado sai torto e a porta fica de muito mau gosto. Essa sou eu. Sem dom nenhum para desenho e algumas outras artes manuais. Não sei combinar muito cores e formas. E apesar de uma leve frustração, a vida segue cada um com seus dons.

Só que dia desses resolvi me desafiar. Depois de tatuar um desenho que eu amo de paixão no braço, decidi que queria bordá-lo. Pra virar um quadrinho ou pra guardar na gaveta, não sei, eu sei que queria bordar. Quando criança minha mãe me ensinou ponto cruz e crochê, mas nada disso me abraçou de um jeito que fizesse com que eu sentisse vontade de fazer sempre. Então não quis bordar em ponto cruz, queria algo que eu me apaixonasse de verdade.

Aí lembrei do bordado livre. Aquele que é um desenho bordado linda e livremente num tecido. Só que eu não sei desenhar nada, sou péssima nisso de traços, nunca que eu levaria jeito pro bordado livre. Foi então que decidi me superar nisso. Estou na casa dos meus pais e minha mãe tem muitas linhas, agulhas e um bastidor. Era o que eu precisava para mostrar pra mim mesma que eu sou capaz de alguma coisa (sem precisar gastar dinheiro comprando os materiais).

Peguei então um tecido, uma agulha e algumas linhas. Peguei o celular e abri o youtube. Eu estava disposta a aprender bordado livre.


Acessei o canal "Clube do Bordado" que eu vinha assistindo há uns dias já. Além de ensinar pontos do bordado, as meninas são lindas, talentosas e estilosas, sem falar da identidade visual dos vídeos que é um amor! Fui assistindo os tutoriais e reproduzindo um ponto, e outro, e outro. Fiz um coração e já fiquei apaixonada! Eu quero mais!!!


Fiz mais outros corações com pontos diferentes e me senti segura em começar logo o meu objetivo. Imprimi o desenho da minha tatuagem, passei para o tecido com papel carbono e comecei a bordar. Fui meio que na minha intuição - que não é muito das boas - e seguindo as dicas dos vídeos, escolhi o tipo de ponto para cada traço do bordado. E fui.

Termina o traçado, revê o vídeo de outro ponto, faz. E assim eu segui no meu bordado livre, me apaixonando com a forma que ele foi tomando e feliz em ver como eu sou sim capaz de fazer algo bonitinho manualmente.

Mas aí eu já não queria terminar nunca meu bordado porque depois dele o que eu ia fazer? Não sei desenhar nada, não sei fazer lettering que acho lindo, sempre vou ter que bordar algum desenho já pronto, nunca vou ter algo "autoral"!? Fiquei triste e, mais uma vez, frustrada. Até que enfiei com força na minha própria cabeça que tudo bem fazer os desenhos da internet. Tudo bem procurar ilustrações no pinterest. Tudo bem. O que não é legal é eu desistir de algo por sempre me colocar uma limitação. Estar sempre construindo uma barreira em alguma coisa. Me podando. Me frustrando. 


E aí que no meio disso, tenho postado algumas etapas do bordado e muita gente está elogiando e me incentivando. Uma delas é uma amiga que amo muito e que nem faz ideia de como me empurrou ainda mais pra dentro do bordado. Do nada ela me perguntou se eu poderia fazer alguma coisa para a sobrinha dela que vai nascer dentro de alguns meses. Eu quase não acreditei que ela me pediu isso e aí me empenhei ainda mais em terminar logo o meu e treinar mais e mais para fazer um bordado com muito amor e dedicação pra ela!

Agora terminei meu bordado e estou encantada num nível que poucas pessoas podem imaginar o que to sentindo! É um misto de felicidade, realização, ver que sou capaz, mal acreditar que consegui!


Fiz, então, esse post com o objetivo de incentivar que se sente como eu, sempre pensando que "não sou capaz" ou "queria ser assim" ou "é lindo, mas não tenho o dom". Migs, se eu fiz, você também pode fazer!!! E se não fizer o bordado livre, pode fazer o ponto cruz, o crochê, uma costura ou qualquer outra coisa que vá te abraçar de tal forma que você vai se superar por estar encantadx com aquilo.

Numa das minhas postagens sobre o bordado, uma menina me escreveu falando que sabia exatamente o que eu sentia porque ela sempre achou que não tinha muitos dons manuais também. Mas aí engravidou, teve filho e vieram as festinhas de aniversário. Com o objetivo de economizar grana e colocar amor nas festinhas, resolveu fazer algumas coisas manualmente e uma delas virou um trabalho!! Foi incentivada por amigas a fazer para vender e deu certo!

Por isso eu digo: vá! Arrisque-se naquele artesanato que você acha lindo e maravilhoso, sempre quis fazer, mas nunca tentou pra ver se consegue ou não. Vai, dá esse passo por você. Vai fazer bem lá no seu interior. Naquela relação de você com você mesma. E mesmo que não dê muito certo e que você não consiga de jeito nenhum fazer aquilo que se propôs, tenta outra coisa, mas não desiste! Não acredite nessa voz maligna que fala ao nosso ouvido que "você não é capaz". Não acredite nessa voz! Tente uma, duas, três vezes... mude de artesanato, tente mais. Mas tente! Vai ser bom. Experimenta pra ver! ♥

você também pode gostar:

0 comentários

fala comigo! :)